Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Home Sweet Home

Este blog é o nosso reflexo. Conheçam as nossas aventuras, os nossos projectos, conheçam-nos a nós.

Home Sweet Home

Este blog é o nosso reflexo. Conheçam as nossas aventuras, os nossos projectos, conheçam-nos a nós.

Quando sabes que és uma das Raras.

Para quem me tem vindo a acompanhar neste meu cantinho, nos últimos anos, em especial desde o inicio do ano, foram vários os problemas de saúde que tive. 

 

Três dias antes do meu aniversário, numa consulta de Heptalogia, para tratar, pensava eu, o fígado gordo, descobri algo diferente. 

As análises indicavam que sofria de uma doença auto-imune, CBP, ou Colingite Biliar Primária. 

Uma doença muito rara, mas quando se manifesta é 90% em mulheres. 

 

Aquele choque inicial é uma brutalidade, é de uma agressividade...

Começar a pensar, como afectará a minha vida, como afectará os planos de ter filhos, qual é a minha esperança média de vida, vou literalmente viver menos e morrer mais cedo disto?

É uma onda que nos atinge como um tsunami. As dúvidas, as questões, a medicação...

No meu caso, a doença teve mesmo um efeito pior no meu sistema imunitário, porque não sendo detectada estava a impedir a assimilação de tudo o que é importante para proteger o nosso organismo. Daí os sucessivos problemas de saúde. 

Felizmente vai ser algo que controlado não me reduz a esperança média de vida e que com a devida medicação posso viver até aos 90. 

Também não é expectável que me afecte noutras áreas a não ser o fígado, que felizmente não teve ainda os efeitos negativos que poderia já ter tido. 

Ou seja, estou encostada às boxes, a ajustar medicação, a reconstruir o meu sistema imunitário, com dieta, porque tenho que reduzir a gordura à volta do fígado, e a fazer exames ainda complementares para perceber bem a dimensão da questão, mas tudo aponta para um prognóstico positivo. 

 

Isto vai ser algo que me irá acompanhar sempre, foi difícil aceitar isso. Saber que independentemente de como coma, como me porte, que tome a medicação direitinho não é algo que passa, é algo que fica.

Claro que fazer tudo isto me ajuda a manter tudo controlado, mas essa sensação de impotência não me ajuda, principalmente a mim que gosto de ter tudo controlado. 

 

Agora que já aceitei melhor tudo isto... Que palavras como auto-imunes, rara, já não têm aquele peso negativo que tinham há umas semanas atrás achei que, como registo que este cantinho é, das coisas boas e das coisas más que passo, esta seria certamente algo a ter aqui o seu espaço. 

 

No entanto, isto não me vai definir.

Depois de ter o meu sistema imunitário restaurado, continuo a minha vida como se nada fosse...

Com cuidados com a alimentação, mas que já tencionava ter e que só me irão trazer coisas boas.

Com a medicação diária mas isso é o menos. 

 

Acho até que tudo isto tem um lado positivo, faz-me apreciar ainda mais aqueles que nestas semanas têm sido incansáveis. 

Fogo tenho mesmo bons amigos, compadres, família!

E o meu Pim aquela incansável fortaleza, que mesmo nos momentos de choque em que lhe disse a soluçar "não és obrigado a ficar comigo doente" ainda se agarrou mais a mim. 

Um grande obrigada a todos. 

Por me darem força, por me darem esperança, por estarem sempre lá. 

 

Para alguém tão focada como eu no controlo, isto veio também obrigar-me a ser mais flexível. Nunca vou conseguir programar tudo o que acontece na minha vida, mas não há mal... 

E veio acentuar algo que já tinha mas que agora ainda sinto mais... Não estou para m*****...

Quero paz, amor e harmonia, o que não quer dizer que seja passiva. 

O meu foco é estar com os que amam, construir memórias ainda mais bonitas, e assegurar que daqui até ao meu último suspiro (daqui a muitos anos se possível) que me foco no presente, em viver o momento e a criar a minha vida ainda mais rica de coisas boas. 

 

E se como eu, está por aí alguém a passar pelo mesmo... Muita força, luz e amor. E se precisarem mandem email que estarei aqui.